Como identificar o fator limitante em um campo

Se você me perguntasse o que poderia fazer para ter certeza de que obterá um rendimento maior, eu recomendaria identificar o fator limitante. Neste artigo do blog, falaremos sobre o fator limitante, por que ele tem tanta importância e como identificá-lo.
Usevalad Henin
Usevalad é especialista em SIG e química agrícola. Ele trabalha no desenvolvimento de ferramentas da agricultura de precisão desde 2013. Ele também é o cofundador da OneSoil.
Vamos começar com uma analogia. Para viver, uma pessoa precisa de comida, água, calor e segurança. Imagine que temos tudo isso e que bebemos cerca de 2 litros de líquido todos os dias. Depois, de repente, ficamos sem água. Nós ficamos bem por um ou dois dias. Mas por quanto tempo conseguimos aguentar? Eu nunca passei por isso, mas os cientistas dizem que, em média, uma pessoa morre após 3 ou 4 dias sem beber água. Nesse caso, a água é o nosso fator limitante. Dois litros de água por dia é a quantidade ideal para nos ajudar a nos sentirmos bem. E um copo d'água a cada 3 ou 4 dias é o mínimo de que precisamos para sobreviver. E, para as plantas, é a mesma coisa.
Receba todos os novos artigos diretamente na sua caixa de entrada!
Vamos começar com uma analogia. Para viver, uma pessoa precisa de comida, água, calor e segurança. Imagine que temos tudo isso e que bebemos cerca de 2 litros de líquido todos os dias. Depois, de repente, ficamos sem água. Nós ficamos bem por um ou dois dias. Mas por quanto tempo conseguimos aguentar? Eu nunca passei por isso, mas os cientistas dizem que, em média, uma pessoa morre após 3 ou 4 dias sem beber água. Nesse caso, a água é o nosso fator limitante. Dois litros de água por dia é a quantidade ideal para nos ajudar a nos sentirmos bem. E um copo d'água a cada 3 ou 4 dias é o mínimo de que precisamos para sobreviver. E, para as plantas, é a mesma coisa.

O que é o fator limitante e por que ele é importante

O fator limitante é o fator ambiental que está presente em um campo em quantidades muito grandes ou muito pequenas. Ele afeta negativamente o crescimento das plantas e diminui o impacto de outros fatores cujos valores estão em um nível ideal.

Por exemplo, digamos que os teores de fósforo e potássio em um campo estejam dentro dos níveis aceitáveis, mas a acidez do solo está muito baixa. Isso significa que a acidez é o fator limitante desse campo. Não importa quanto fertilizante você aplique, isso não funcionará porque a acidez do solo neutralizará o efeito de qualquer fertilizante, mesmo o melhor deles.
Quem criou esse conceito? No século XIX, Justus von Liebig postulou e provou o que conhecemos como Lei de Liebig ou Lei do mínimo. Um belo dia, quando o jovem Justus estava assistindo a uma aula de grego, uma bolsa que ele carregava com fulminato de mercúrio explodiu. Foi aí que ele percebeu que as ciências humanas não eram a sua praia. E sim, a química. Em 1840, Justus von Liebig formulou a Lei do mínimo, que afirma que o crescimento das plantas sofre maior influência do fator que está presente em menor quantidade.
Um fator limitante_OneSoil Blog
A lei foi posteriormente desenvolvida por Victor Shelford, em 1913. Ele provou que a vida de qualquer organismo vivo, incluindo as plantas, depende de vários fatores e que todo organismo tem um certo limite de tolerância a esses fatores. O intervalo entre os valores mínimos e máximos do fator representa o limite de tolerância do organismo. Quando o valor do fator se aproxima do limite mínimo ou máximo, o organismo passa por estresse. É basicamente o mesmo que ocorre com os humanos!

Como identificar o fator limitante com o OneSoil

A maneira mais fácil de identificar o fator limitante é determinar as zonas de produtividade no campo, pois elas refletem a fertilidade de suas diferentes áreas. Elas podem ser geradas com base em dados de índice de vegetação coletados durante vários anos. Quando temos esses dados e o histórico do índice de vegetação, podemos determinar as áreas nas quais os valores do índice estavam abaixo da média. É nesse ponto que o fator limitante é expresso com a maior clareza.

1. Determine as zonas de produtividade. Você pode fazer isso gratuitamente no aplicativo Web OneSoil. O aplicativo gera as zonas de acordo com os últimos quatro anos de rendimento relativo, calculado por nosso algoritmo com base em imagens de satélite. Você só precisa criar uma conta OneSoil gratuita, acessar a seção "Fertilizantes" ou "Taxa de semeadura" e selecionar seu campo. O aplicativo gerará um mapa de zonas de produtividade para o seu campo automaticamente.
Zona de produtividade no OneSoil web app_OneSoil Blog
Essa é a aparência das zonas de produtividade no aplicativo Web OneSoil.
2. O próximo passo é comparar as zonas de produtividade e o relevo. Se o mapa das zonas de produtividade for parecido com o mapa de relevo, isso significa que o relevo — encostas, terras baixas ou outras características — está afetando as propriedades químicas e físicas do solo, além da distribuição de umidade no campo. A umidade, por sua vez, afeta o rendimento. Nesse caso, a insuficiência ou o excesso de umidade é o fator limitante no campo. (Caso não seja a distribuição de umidade, siga para a próxima etapa.)

Você pode baixar o mapa de relevo do computador de bordo do seu equipamento. Abra-o no aplicativo Web OneSoil e comece a analisá-lo. É isso o que fazemos quando realizamos experimentos. Além disso, nossa equipe está planejando lançar o novo recurso "camadas de campo" no aplicativo Web durante o ano de 2021. O relevo do campo será uma dessas camadas.
Mapa de declive_OneSoil Blog
Um mapa de declividade de um campo na Ucrânia com o mapa de produtividade sobreposto. As altas declividades coincidem com as zonas de baixa produtividade. Depois de analisar essas áreas, descobri erosões de solo.
3. Compare as zonas de produtividade e o brilho do solo, caso não haja conexão entre as zonas de produtividade e o relevo. Os mapas da zona de produtividade são semelhantes aos mapas de brilho do solo? Em caso positivo, o teor de húmus provavelmente está afetando o rendimento.

Para analisar o brilho do solo, recomendo usar uma imagem do campo depois da aragem e sem nenhum resíduo de plantas em sua superfície. O mais fácil é fazer isso logo após a semeadura. Você pode baixar esse tipo de imagem de um site específico do Sentinel. Registre-se, selecione sua região no mapa e baixe a imagem no formato B08 (uma imagem de infravermelho próximo). Em seguida, carregue a imagem em qualquer software de SIG, aumente o contraste e comece a analisá-la.
O mapa mostra que o solo fica mais claro em áreas com uma inclinação em torno de 3 graus. Essas mesmas áreas coincidem com a zona de baixa produtividade. Isso significa que a produtividade é afetada pelo teor de nutrientes orgânicos.
4. Verifique a acidez do solo em áreas de baixa produtividade caso o brilho, o relevo e a produtividade do solo não estejam conectados. As formas mais fáceis de se verificar a acidez do solo são usar um medidor de pH ou por meio de um laboratório.
5. Realize um teste de solo. Só analise o teor de fósforo, potássio e de outros macro e micronutrientes depois de avaliar o campo e ter certeza de que nem o terreno nem o teor de nutrientes orgânicos estão limitando a produção e de que os níveis de acidez são aceitáveis.

Usevalad Henin
Caso queira conversar sobre esse artigo e compartilhar sua experiência, entre na nossa comunidade do Telegram ou WhatsApp!
Crie zonas de produtividade com o OneSoil
Artigos relacionados
Pessoas, campos e tecnologia
Receba todos os novos artigos diretamente na sua caixa de entrada! Você pode ler até mesmo enquanto estiver em campo.